Mostra faz parte da Festa da Leitura da Escola Municipal Cynhia Cliquet Luciano; exposição será aberta às 9h

Como parte das comemorações da Festa da Leitura da Escola Municipal Professora Cynthia Cliquet Luciano, na Costa Norte de São Sebastião, acontece neste sábado (25), na Galeria Cândido Portinari – localizada na escola –, a partir das 9h, a abertura da exposição “Eu e o Livro”, de Isabel Galvanese, e o relançamento do livro “Druzilla, a Encantadora de Siris”.

Na ocasião, haverá uma exposição com alguns trabalhos, ilustrações e livros da autora; uma mostra de livros produzidos pelos alunos na Oficina “Eu, o Livro” e um sarau literário.

 A proposta da Oficina criada pela artista plástica Isabel Galvanese, a escritora Cristina Mira e a editora Leila Prado, é tornar acessível aos participantes os principais recursos necessários à confecção de um livro: escrita, ilustração e encadernação, bem como discutir o papel do livro e da leitura em nossa sociedade.

A exposição vai apresentar os livros confeccionados por cada participante da Oficina. Familiares e amigos dos alunos estão convidados a participar dessa festividade.

As facilitadoras – Cristina, Isabel e Leila – vão trabalhar, durante todo o mês de agosto, o tema “A Importância do Livro” com os alunos da escola.

Idealizadoras

“Esse projeto é uma união das nossas habilidades aqui, pra trazer esse acesso, essa sensibilização pela leitura, e entender o livro em todas as partes, desde o processo da escrita a ilustração, e o livro enquanto objeto.”, ressaltou Leila, que trabalhou na encadernação, abordando do que o livro é composto, como capa, contracapa, a forma de ser encadernado, dobraduras e demais elementos que o compõe.

“O objetivo maior é sensibilizar eles para a leitura e a escrita, para que, através disso, nós possamos abrir janelas para que eles possam voar para fora da realidade.”, afirmou Isabel.

Cristina, responsável pela parte de escrita e desenvolvimento dos textos, disse ter gostado de fazer esse trabalho diferente. “A gente está nesse mundo todo digital, então é legal trabalhar com uma coisa material. O livro ainda faz parte da nossa vida, por mais digital que ele esteja”, disse a escritora.