“Música na Sacada” inaugurou novo espaço em Casarão Colonial que estará aberto ao público até o Natal e, em seguida, de terça a domingo, das 10h às 21h

Centenas de pessoas prestigiaram e se encantaram na noite de ontem (17/12) com a inauguração da Casa Brasileira, instalada em um casarão colonial de São Sebastião, na Rua da Praia, pelo Instituto Mpumalanga – Cultura, Tecnologia e Meio Ambiente, com o apoio da Prefeitura de São Sebastião.

A inauguração surpreendeu a todos durante a realização do evento “Música na Sacada”, com apresentações musicais bem brasileiras que fizeram o público cantar junto, bater palmas e se orgulhar ao ver o calçadão da orla da avenida Altino Arantes tão cheio de vida.

Esse novo espaço para a cultura e a arte em São Sebastião estará aberto ao público até o Natal. Em seguida, funcionará de terça a domingo, das 10h às 21h.

A cantora baiana Mariene de Castro foi o grande destaque do evento, que teve também a participação das cantoras Luciana Oliveira e Renata Jambeiro, das orquestras de cordas e de metais da cidade, da Banda da Caravana das Artes e do Coral Municipal de São Sebastião.

Parceira do Instituto Mpumalanga e da Caravana das Artes, Mariene de Castro fez aparições musicais na sacada durante o evento. Como os demais artistas convidados, a cantora participou voluntariamente e é a madrinha do novo espaço.

Instalada no número 84 da Rua da Praia, Centro Histórico da cidade, a Casa Brasileira abre as portas do casarão tombado pelo patrimônio histórico com várias exposições, como a do pintor Élon Brasil. Especializado no registro artístico de comunidades indígenas, ele estará em São Sebastião para a inauguração e terá seis obras expostas.

Mostras

A Casa Brasileira é um espaço de construção de conhecimento, memória e valorização dos saberes tradicionais de comunidades quilombolas, indígenas e caiçaras atendidas pelos projetos do Instituto Mpumalanga. O local é uma casa conceito idealizada pela jornalista Adriana Saldanha, gestora do Instituto, que pretende promover o acesso à educação pela arte.

Além das obras de Élon Brasil, haverá mostras do escultor Mito, do xilógrafo Severino Borges e do Duo Street Art B-47.

No local, serão mostradas ainda a delicadeza dos bordados do grupo Mãos de Ariadne e uma exposição de têxteis do Continente Africano, como os monumentais kentes do Gana, os algodões tinturados com índigo do Mali e do Burkina Faso, os bordados do povo wodaabe, a intrincada tecelagem dos povos kuba, os algodões etíopes e os multicoloridos e controversos wax prints.

A Casa Brasileira tem entrada gratuita e uma programação anual com exposições, oficinas de artes, palestras, debates, pockets musicais e um bistrô temático, com vista para o mar, para uma experiência gastronômica com sabores das diversas regiões do Brasil, em meio às paredes antigas e restauradas do imóvel datado do século XVIII.