A Prefeitura de São Sebastião, por meio da Secretaria da Pessoa com Deficiência e Idoso (SEPEDI), em parceria com o Projeto Sailing Sense promoveu aula de vela para pessoas com deficiência, nos dias 14 e 15 de julho, visando às políticas públicas voltadas para a inclusão social. Os participantes saíram do píer do Clube Pindá, no Saco da Capela, em Ilhabela, com trajeto pelo canal e retorno à ilha.

Os 12 participantes puderam vivenciar a rotina dentro de um veleiro, aprendendo sobre as principais manobras deste tipo de embarcação, os direcionamentos como bombordo e boreste, o funcionamento das velas, leme, cabos, a experiência de velejar mesmo com algum tipo de deficiência física, ou mental. As inscrições para a participação na atividade foram feitas na SEPEDI.

O idealizador do Sailing Sense, projeto que existe desde 2007, Miguel Olio e Íris Poffo são os instrutores que conduzem os deficientes nesta superação e coragem de encarar o mar e velejar. “Nós queríamos essa vivência com pessoas de São Sebastião, e a prefeitura, por meio da SEPEDI, fez com que isso acontecesse”, disse Olio.

A moradora do bairro Canto do Mar, Suzete Maira Machado, 57 anos, afirmou que a sensação foi indescritível. “Tive dois AVCs – acidente vascular cerebral –, sendo um isquêmico e o outro hemorrágico, também sofri um aneurisma, tive hidrocefalia, meningite bacteriana e infecção hospitalar. Fiz três cirurgias, no lado direito do cérebro, e tenho um DVP – derivação ventrículo-peritoneal – na cabeça, por tanto, me considero uma pessoa renascida”, explicou.  

Na SEPEDI desde o começo deste ano, ela ainda conta que a experiência foi maravilhosa e indescritível. “Nunca pensei que fosse fazer isso na minha vida. Foi uma superação. Sou poderosa e até pilotei o veleiro, fui capitã por um dia. Só tenho a agradecer a prefeitura de São Sebastião e a SEPEDI, pois realmente esse cuidado e carinho transformam vidas. Eu sou um exemplo disso”, concluiu Suzete.

Sobre

O Sailing Sense tem por objetivo introduzir na sociedade exemplos de práticas inclusivas e acessíveis de tal forma que possa ser replicável independente do país ou da cultura náutica local, sempre pautado em segurança e alegria aos participantes. O Sailing Sense é desenvolvido desde 2007, em São Paulo. Inicialmente para pessoas com surdocegueira e múltipla deficiência sensorial, hoje atua com pessoas com deficiência visual, auditiva, autismo, síndrome de Down, em dois estados, cinco cidades diferentes e exterior. O projeto foi oferecido à prefeitura de São Sebastião, por dois dias, com 12 participantes.